BELAS ADAPTAÇÕES DE LIVROS

Publicado por . Em: Livraria

Alguns livros se tornam acessíveis pelas adaptações feitas pelos streamings. E tanto faz, ler o livro primeiro ou depois, já que muitas vezes o próprio escritor colabora no roteiro e acompanha a adaptação para que não haja desvios que prejudiquem a estória.

Normal People

Normal People – Sally Rooney

São só 12 episódios de 34minutos cada, pelo Starplay disponível pela Amazon https://www.primevideo.com/ @normalpeoplebbc , foi fenômeno pop nos EUA e na Inglaterra, indicada a 4 EMMYs. @normalpeople_tv .

O mais legal é que o roteiro da série foi escrito pela própria escritora Sally Rooney @sallyrooneyofficial , irlandesa de apenas 29 anos.

livros publicados no Brasil

O livro ” Pessoas Normais” #pessoasnormais , foi finalista do Man Booker Prize @_manbook_ e lançado no Brasil em 2019 pela Cia das Letras @ciadasletras_ .

Seu segundo livro ‘ Conversando entre amigos” #conversandocomamigos, tem adaptação prevista pelo mesmo quarteto de ” Normal People”, e o último lançamento é ” Belo mundo, onde você está?” #belomundoondevocêestá ,ano passado.

Segundo as críticas esse supera os anteriores, que já são bons ! BORA LER !

O tigre branco

O Tigre Branco – Aravind Adiga –

” as galinhas estão ali, sempre assistindo a morte de suas iguais e podendo ser as próximas sacrificadas, mas nunca se revoltam contra seus opressores.”

Aravind Adiga, escritor indiano, ganhou com ” O tigre branco”, o Booker Prize https://thebookerprizes.com/em 2008, adaptada pela Netflix, é uma belíssima estória. Mostra a rigidez social da Índia, e como a metáfora do galinheiro é ilustrativa e real, percorrendo todas as cenas que se passam no vilarejo do personagem.

O personagem principal sempre foi um inconformado, consegue escapar do matriarcado representado pela avó e trabalhar para o explorador de seu vilarejo, sempre solícito e com um sorriso no rosto, ele acaba convencendo pela humildade e simpatia.

Mesmo com a desconfiança do pai, Ashok o filho do empresário, o contrata, mas porquê estudou nos Estados Unidos e não vê sentido no sistema de castas indiano.

No início nos convencemos da subserviência de Balram é genuína e o sorriso sincero, mesmo ele narrando a história do futuro já milionário às custas da família.

Mas, com a sequência de humilhações e absurdos entendemos que, na verdade, a raiva move a plenitude.  

Vale cada minuto, não perca, disponível na Netflix.

BORA LER ?

Deixe seu comentário

*
*