Café como conceito – referências

Publicado por . Em: Café

Confira nesse texto quais as referências que definem o café como conceito e estilo de vida

Conhece a Starbucks ? Já foi até lá, tomou algo ? Comprou caneca ?

Então…a Starbucks não vende doce.

Só alguns itens salgados e doces simples , e, sabe porquê, vamos ao Starbucks PARA TOMAR CAFÉ ! _onde íamos, antes de Howard Schultz, mas isso é para a próxima.

Não é questão de esnobismo não !  apenas compartilhar com nossos clientes ou apreciadores de café sobre os seus prazeres. 

O Starbucks no início, quando era focada em café, teve mentoria privilegiada, já que não poderíamos falar sobre café especial, sem falarmos de Alfred Peet,

“He was the guru of everyone in the gourmet coffee  revolution.              He was the Bing Bang. It all started with  him”, Corby Kummer autor de “ The joy of coffee and sênior editor, The Atlantic Monthly.

Mas quem foi Alfred Peet ?

Nasceu em março de 1920, na Holanda, sendo que seu pai já negociava café já torrado.  Já trabalhava com o pai, e, juntos, pai e filho, aprenderam a torrar café.    E isto é que é legal sobre o mundo do café, na maioria das vezes, há uma história emocionante de família envolvida !

Ao completar 18 anos, em 1938, Alfred muda para Londres e vai trabalhar na Twinings Coffee & Tea_só a referência até hoje em chá no mundo !, aproveitando a oportunidade para viajar aprimorando sua expertise para Nova Zelândia e Indonésia. Em 1955, com 35 anos, muda para São Francisco, importando café e chá dos países visitados e contatos feitos, e em 1966, já começa a vender diretamente no varejo, em sua “ Peet´s Coffee, Tea & Spice, aberta na Califórnia, próximo ao campus da faculdade de Bekerly.   

“Quando Alfred Peet abre as portas de seu primeiro coffeebar em 1966, ele silenciosamente deu início a uma revolução que mudou para sempre as expectativas de quem bebe café na América.   Todo seu comprometimento a atenção meticulosa ao detalhe, nós ainda agimos por esses mesmos princípios hoje” _ tradução livre.

Peet e sua paixão pelo café

Peet sempre teve paixão pelos grãos de café, e em sua Peet´s Coffee, ao vender grãos, para escolha do cliente, servia pequenas xícaras da bebida apenas para degustação e escolha do grão para consumo.   Ao escolher, o cliente acompanhava Alfred até o moedor, pesava pequenas quantidades e o vendia em pequenos pacotes. Deu tanto certo, que abriu mais lojas, 4, todas repetindo o mesmo formato, nunca perdendo sua essência_ falar sobre grãos, suas origens, cheiros, sabores, apresentando o melhor café mundial ao mercado americano.

Tanto que, se tornou conhecido como  “ the godfather of gourmet coffee in the US”.

Ainda que tenha vendido a Peet´s em 1979, com 59 anos, manteve suas atividades no local, comprando café e como consultor até 1983.          Foi nesse período, que os três co-fundadores da Starbucks_Gerald ” Jerry” Baldwin, Gordon Bowker e Zev Siegl_ antes de Howard Schultz, foram ao Peet´s encontrar Alfred para conhecer esse mundo e a paixão era tanta e a sinergia entre eles, tornando-se rapidamente o mentor do trio, permitindo que os três copiassem o layout de sua loja e dividisse até os produtos e equipamentos.

Qualquer apreciador da bebida tem que conhecer a estória de Alfred Peet.

Mesmo nós brasileiros, um dos maiores produtores de café, temos uma dívida imensa com Alfred, afinal, quando Mr Peet introduziu grãos frescos, levemente torrados na America dos anos 60, ele transformou como experimentamos café. Lembre-se que, os americanos normalmente tomam café solúvel, mas isso é outra estória.

Hoje, sua influência ainda está presente em como viajamos pelo mundo, ao conhecermos um novo grão, conhecemos a cultura do país, ao conhecermos sobre torragem e moagem também, dando ideias de viagens e mesmo, qualidade de vida, mas isso também é outra estória.

Espaço LER – a melhor Cafeteria

Nós da cafeteria do Espaço Ler, bebemos dessa fonte, assim como a Starbucks antes de Howard Schultz, mantendo sempre a bebida como protagonista.

Deixe seu comentário

*
*